E essas voltas que o mundo dá?

Hoje você está aqui 
Amanhã não sabe onde
Se vê numa pista de esqui
Depois descendo do bonde

Ama como nunca amaste
Vive como nunca viveu
Sente a dor de quem magoaste
E suplica por um adeus

Diz sim para o novo
Rejeita o velho abrigo
Se alimenta de ovo
E não teme o perigo

Fala bem do imprestável
Ouve mazelas do amigo
Afirma não ser negociável
Sair cedo do esconderijo

Pede ajuda ao estranho
Nega afeto ao conhecido
Remete cartas ao bando
E finge ter sucumbido

Dar meia volta e meia
Regressa sem sentir dor
Esquece que há lua cheia
E que ela te deu amor

Tenta não recordar
Para a dor não sentir
Sabe que se for chorar
Será quando partir

Aproveita ao máximo
Antes da sirene tocar 
Trata-se do mastro
Que esqueceu de levantar

Significa que está em casa
Que na cadeira se sentou
Na sala secreta, covil de arma
Trai a quem te valorizou

Não foi o mundo quem andou
Foi o ouvido que não ouviu
A cabeça que parou
Quando o orgulho subiu

Comentários

  1. Amei o texto, se todos pudéssemos pensar dessa forma acredito que existiria o amor pra todos nós nos amariamos, como sendo último dia

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Achados da alma

Sonhar agora, realizar amanhã talvez